quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Processo de paz no Oriente Médio enfrenta impasse


Seis semanas antes do término de um prazo decisivo, o processo de paz no Oriente Médio está empacado por causa dos termos de uma mudança simbólica das negociações entre Israel e os palestinos, que passariam de indiretas para o diálogo direto.
A retomada rápida do processo é crucial, afirmam diplomatas. Espera-se desde segunda-feira uma declaração das potências mundiais envolvidas no processo de paz no Oriente Médio propondo um "convite ao diálogo". Os negociadores deveriam discutir o texto mais uma vez nesta quinta-feira.
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, quer o início das conversações diretas bem antes de 26 de setembro, quando chega ao fim a moratória de dez meses de Israel nas construções dos assentamentos na Cisjordânia.
A retomada das construções nos assentamentos pode enterrar as negociações para sempre. Veteranos nas conversações no Oriente Médio ao longo de 20 anos afirmam que é como andar de bicicleta: ou você anda para frente ou cai, e a queda pode significar no final voltar à guerra.
Israel se diz pronto a um diálogo direto desde que não haja precondições. Os palestinos estão prontos desde que haja uma agenda clara. Israel afirma que uma agenda significa precondições.
O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pode se beneficiar politicamente com a passagem para as conversações diretas, indo contra a percepção externa de que ele não procura genuinamente a paz.
Por outro lado, o presidente palestino, Mahmoud Abbas, tem muito a perder politicamente. Na verdade, ele seria destruído caso surgisse, depois de meses de negociações, como um conciliador fracassado.
EUA, Rússia, a União Europeia e a Organização das Nações Unidas (ONU) - o chamado "Quarteto" do Oriente Médio - trabalharam esta semana toda para encontrar um final para esse impasse, produzindo uma estrutura para as conversações e um fraseado que possa ser aceito por ambos os lados.
"A situação é um modo de esperar e ver", disse uma autoridade palestina. "A demora na divulgação da declaração do Quarteto é porque ela vai de encontro à posição israelense....Israel não quer que o Quarteto se envolva nas negociações."
Diplomatas do Quarteto esperavam concluir o texto numa reunião convocada para a noite de quinta-feira e usá-lo já a partir da noite de sexta-feira, disse uma fonte européia.
Uma declaração do Quarteto poderá dar a Abbas o apoio necessário para passar para o diálogo direto. Israel, no entanto, lembrou os EUA discretamente que sua única condição é que não haja condições.



Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário