quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Para Vaccarezza, parte dos votos de Marina migram para Dilma no 2º turno

O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP) disse nesta quarta-feira que a expectativa do partido, independente da decisão da candidata do PV, Marina Silva, é a de que parte dos votos dos eleitores dela migrem para a candidata Dilma Rousseff. Segundo Vaccarezza, parte dos eleitores brasileiros votaram em Marina porque não queriam a eleição do tucano José Serra. Por isso ele acredita que estes votos irão para o PT. Para mostrar que nem sempre o eleitor que vota em um candidato no primeiro turno segue a opção de voto que o candidato manifesta, Vaccarezza citou os apoios dados ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva na eleição de 2002 por Anthony Garotinho (PSB à época) e Ciro Gomesm (PPS à época).
- Os partidos não controlam seus votos. Em 2002, boa parte dos eleitores do Ciro e do Garotinho não votaram no Lula. O que a Marina decidir ( sobre o apoio no segundo turno), vamos aceitar. Mas quem votou em Marina não queria votar em Serra. Boa parte dos votos dela vem para o PT. No primeiro turno, o eleitor escolhe seu candidato, no segundo turno ecolhe quem é o melhor - disse Vaccarezza.
Vaccarezza lembrou ainda que o próprio Serra disse que Marina tem mais a ver com Dilma do que com ele e que o PV da base aliada do governo Lula.. Segundo ele, a luta pela sustentabilidade do planeta "tem muito a ver com o PT". Para Vaccarezza, o fato de a eleição em segundo turno cair no domingo próximo ao feriado de Finados não terá influência sobre o resultado das eleições:
-Não ajuda, nem atrapalha.
Vacarezza afirmou ainda que o debate sobre o aborto não será tema central da campanha e que Serra e Dilma têm posições iguais sobre este tema:
- Serra foi quem normatizou a lei do aborto e o Dilma já adfirmou que o governo não fará mudanças na lei. Deixando a firula de lado, a politização, os dois têm a mesma posição.
O líder do governo afirmou ontem que Luiz Bassuma (PV-BA) nunca foi expulso do PT e que sua entrevista foi injusta. Que ele foi suspenso por ter feito manifestação contra as mulheres e militantes que defendiam a discriminalização do aborto, agredindo verbalmente muitas delas. Ele afirmou ainda que pastores, padres e outros representantes de igrejas que apoiam a candidatura Dilma irão ajudar a desfazer os boatos contra a candidata petista.
- Estamos num período em que as paixões tiram as pessoas do lugar.
Vaccarezza também classiifcou de demagógicas as propostas de Serra de aumentar para R$ 600,00 o salário mínimo no próximo ano, de dar aumento de 15% para os aposentados e de defender o fim do fator previdenciário para o cálculo das aposentadorias:
- São Paulo é o estado mais rico do Brasil. Ele aprovou um salário mínimo lá de R$ 570,00, quando o Paraná aprovou um mínimo de R$ 700. Por que ele mandou aprovar um salário menor? É demagogia pura (dizer que vai dar R$ 600 se for eleito presidente) fazer isso. Não praticou isso quando era governador. O fato previdenciário foi o Serra quem colocou. Nós temos um projeto com outra fórmula para o fato e vamos discuti-lo.

O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário