quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Empresa privada coloca cápsula espacial em órbita

Uma empresa privada colocou uma nave espacial em órbita na quarta-feira, num teste para os veículos que devem substituir os ônibus espaciais da Nasa a partir de 2011.
A agência espacial norte-americana apoiou a missão. A nave inicialmente deverá transportar cargas, mas no futuro poderá levar também tripulantes para a Estação Espacial Internacional.
O foguete Falcon 9, da empresa Space Exploration Technologies, decolou às 10h43 (13h43 em Brasília) na Base Aérea do Cabo Canaveral, levando a bordo a primeira cápsula Dragon, da mesma companhia.
Outros dois voos-teste estão planejados, mas se a missão de quarta-feira for bem sucedida a empresa pode combinar as duas missões em uma só, atracando pela primeira vez na Estação Espacial já em meados do ano que vem.
A SpaceX, de propriedade do empreendedor da Internet Elon Musk, é uma das duas firmas que detêm os contratos da Nasa, num valor total de 3,5 bilhões de dólares, para levar cargas à Estação Espacial após a aposentadoria dos ônibus.
Além disso, a Nasa também destinou 500 milhões de dólares para que a SpaceX e a Orbital Sciences Corp. desenvolvam e testem foguetes e cápsulas espaciais.
A Orbital pretende inaugurar o seu foguete Taurus 4 no ano que vem.
Durante o teste de quarta-feira, a cápsula Dragon deve realizar uma série de manobras que simulam a aproximação e atracação na Estação Espacial Internacional.
Após realizar duas órbitas em cerca de três horas, a cápsula disparou seus propulsores para deixar a órbita e voltou à atmosfera, submetendo seu escudo antitérmico a situações que não podem ser simuladas na Terra.
A cápsula sobreviveu e caiu no Pacífico, a cerca de 805 quilômetros da costa do México. A empresa alugou um navio da Nasa para recuperar a cápsula.
Funcionários da SpaceX e da Nasa disseram que não era importante que o teste fosse impecável. "Se a história serve de guia, sem dúvida haverá algumas anomalias durante este programa de testes. É para isso que é feito o programa de testes, para aprendermos", disse a jornalistas Phil McAlister, diretor-interino de Desenvolvimento de Voos Espaciais Comerciais da Nasa.
O objetivo da Nasa ao estimular os voos espaciais privados é reduzir seus próprios custos, estimular novos setores industriais e abrir mais opções de abastecimento para a Estação Espacial, um projeto de 16 países e 100 bilhões de dólares, que está perto de ser concluído, 355 quilômetros acima da Terra.
A ideia é que a Nasa passe de prestadora a consumidora de serviços, segundo Alan Lindenmoyer, gerente do Programa Comercial de Cargas e Tripulantes no Centro Espacial Johnson, em Houston.



Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário