domingo, 12 de dezembro de 2010

O Corte final

Através da lente olho-de-peixe de olhos manchados de lágrimas

Mal consigo definir o formato deste momento no tempo
E bem longe de estar voando alto em claros céus azuis
Estou caindo em espiral para o buraco no chão onde me escondo

Se você negociar o campo minado junto à alameda
E vencer os cães e tapear os frios olhos eletrônicos
E se você conseguir passar pelas espingardas no saguão
Disque a combinação, abra o esconderijo
E se eu estiver lá dentro, te direi o que está atrás da parede

Há um garoto que teve uma grande alucinação
Fazendo amor com mulheres em revistas
Ele se pergunta se você está dormindo com sua fé recém-encontrada
Será que alguém poderia amá-lo
Ou é apenas um sonho louco?

E se eu te mostrasse meu lado escuro
Você ainda desejaria me abraçar esta noite?
E se eu abrisse meu coração para você
E te mostrasse meu lado fraco
O que você faria?
Venderia sua reportagem para a Rolling Stone?
Levaria as crianças embora
E me deixaria sozinho
E sorriria tranquilamente
Enquanto sussurra ao telefone?
Você me enxotaria?
Ou me levaria para casa?

Pensei que devesse revelar meus pensamentos
Pensei que devesse rasgar a cortina até arrancá-la
Segurei a lâmina com as mãos trêmulas
Preparando para acertar, mas aí então o telefone tocou
Nunca tive coragem de fazer o corte final
Olá? Ouça, eu acho que peguei. Ok, ouça, é um HaHa.



Pink Floyd

Nenhum comentário:

Postar um comentário