domingo, 30 de janeiro de 2011

Canto de liberdade

Quero ser livre como pássaro

Voar pelos vastos arvoredos

E pousar nas rústicas palmeiras

Bailar sobre as serras verdejantes

Cantar com os sabiás

O meu canto sorrateiro

Vou dançar nos campos floridos

Beber da água doce da fonte

No fim das tardes penumbras

Contar o segredo da vida



Quero deitar nos braços da noite

No colo da relva adormecer

O sol acariciando o meu rosto

Ao despertar do amanhecer



Despojarei do meu velho manto

Remexo todo meu ser

Deixo minha alma soluçar

Faço do poema o meu pranto



Sou como um barco à deriva

Deixo as ondas me levar

Quero ouvir o canto da sereia

Contemplar a lua cheia

Beijar o mar.





 Maria da Conceição do Amparo Alves

Nenhum comentário:

Postar um comentário