segunda-feira, 7 de março de 2011

Pentágono estuda opções de intervenção na Líbia


O Departamento de Defesa estadunidense analisa várias opções para intervir na Líbia enquanto legisladores pressionam a Casa Branca para obrigá-la a endurecer sua postura, revela hoje o jornal The New York Times.
Tanto o chefe do Pentágono, Robert Gates, como oficiais de alta patente têm advertido sobre as consequências no mundo árabe de uma nova invasão norte-americana, pelo que vários especialistas debatem sobre outras estratégias, sublinha o jornal.
Entre as propostas está o uso de um avião, que voaria em águas internacionais, para bloquear as comunicações do governo líbio com suas tropas, destacou um servidor público que solicitou o anonimato.
The New York Times recorda que o USS Ponce e o USS Kearsarge, dois barcos anfíbios, estão parados cerca da costa do país árabe com a 26ª Unidade Expedicionária da Infantaria da Marinha a bordo, pronta para entrar em combate.
A presença de ambas embarcações pode ser vista como um exemplo de "diplomacia do canhão" e busca incrementar a confiança dos rebeldes e por outro lado diminuir o apoio das forças leais ao líder libio Muamar el-Gadafi, sublinha.
Outra táctica seria fornecer armamento e equipamentos por ar aos alçados, como defendeu Stephen Hadley, conselheiro de Segurança Nacional do ex presidente George W. Bush.
Além disso, o Pentágono poderia utilizar a suas forças especiais em pequena escala para ajudar aos grupos armados como fez no Afeganistão, agregou o jornal.
Este fim de semana o presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, o democrata John Kerry pediu que o escritório Oval ordenasse uma zona de exclusão aérea em Líbia.
Essa proposta foi defendida pelo líder da bancada republicana na Câmera alta, Mitch McConnell, e seu colega de partido e ex-candidato à Casa Branca, John McCain.
Por sua vez, o jornalista Robert Fisk afirma no diário britânico The Independent que as autoridades norte-americanas solicitaram às sauditas fornecer armamento à oposição líbia se o conflito se extender.


Prensa Latina

Nenhum comentário:

Postar um comentário