sexta-feira, 17 de junho de 2011

Buracos negros já eram comuns no início do universo


Imagens de raio-x mostram que buracos negros muito jovens cresceram de maneira mais agressiva que se pensava anteriormente.
Astrônomos encontraram a primeira prova direta de que buracos negros massivos já eram comuns no início do Universo. A descoberta a partir de imagens do Observatório Chandra mostra que buracos negros muito jovens cresceram de maneira mais agressiva que se pensava anteriormente.
"Há uma relação simbiótica entre os buracos negros e suas galáxias desde o amanhecer dos tempos", afirmou Kevin Schawinski da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, e que contribuiu para a pesquisa sobre os buracos negros maciços, encontrados no coração das galáxias.
Nos distantes quasares, núcleos luminosos ativos das galáxias, os astrônomos já haviam descoberto buracos negros com mais de um bilhão de massas solares, que teriam existido menos de um bilhão de anos depois do Big Bang.
Os autores do novo estudo, publicado na revista científica britânica Nature, estudaram uma amostra mais ampla de buracos negros que se supõem que estejam no centro de 200 galáxias muito distantes detectadas pelo telescópio espacial Hubble.
Estas galáxias aparentemente existiram de 700 a 950 milhões de anos depois do Big Bang. Portanto, sua luz teria viajado cerca de 13 bilhões de anos no cosmos, antes de ser captada pelo Hubble.
Como detectar buracos negros a tais distâncias no tempo e no espaço? Os gases e as poeiras se amontoam a grande velocidade antes de ser devorados por estes ogros do espaço, emitindo raios-X.
Graças ao Chandra, o telescópio de raios-X da Nasa, Kevin Schawinski, Ezequiel Treister (Universidade do Havaí) e seus colegas conseguiram detectar as menores radiações - alguns poucos fótons X de alta energia por galáxia -, que percorreram tais distâncias.
Após ter adicionado e ampliado as radiações dos buracos negros de 200 galáxias estudadas, a equipe de Treister acredita que "os buracos negros cresceram junto com as galáxias que os abrigaram ao longo de toda a história do cosmos".
Os cientistas concluíram que estes buracos negros - ocultos pela grande quantidade de gases e poeira que absorviam a maior parte das radiações, salvo os raios-X - "cresceram significativamente mais rápido" durante os primeiros tempos do que se pensava até agora.
Em um comentário, o astrônomo Alexey Vikhlinin, do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysicis, em Cambrigde (EUA), destacou que algumas perguntas chave continuam em suspenso. Ainda é preciso saber como foram engendrados os precursores desses buracos negros supermaciços e que mecanismo possibilitou esta coevolução entre buracos negros e galáxias.
Ultimo Segundo

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário