quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Nova sociedade


O mundo de hoje, especialmente nos paises capitalistas, apresenta acentuados desníveis econômicos, sociais e políticos. Pequenos grupos conseguiram influir de tal modo sobre a organização da sociedade que impuseram o estabelecimento de regras de convivência inteiramente favoráveis aos economicamente fortes e aos que se põem a seu serviço.
Grandes massas, economicamente fracas e dependentes, são mantidas em posição social de inferioridade e não têm a possibilidade de participação política real. Milhões de pessoas vivem em situação de absoluta marginalização política, econômica e social, só recebendo o mínimo necessário para continuar fornecendo aos dominadores sua força de trabalho e mal conseguindo sobreviver quando esta se debilita ou já não interessa aos exploradores.
O ser humano está sendo tratado como ferramenta, mercadoria ou mero consumidor de bens materiais, inteiramente subordinado a objetivos econômicos. Os grandes capitalistas, operando em escala nacional ou multinacional, utilizando os meios de divulgação e as instituições de ensino controlando o exercício do poder político e a aplicação dos recursos sociais, fazem do desenvolvimento econômico a preocupação suprema dos governos e o objetivo da vida humana.
A intensificação da busca de desenvolvimento econômico acentuou exageradamente a degradação dos valores humanos. O aumento da produção de riqueza acarretou o aumento da marginalização. social., das angústias, da insegurança, da infelicidade. O ganho econômico se fez à custa de grandes perdas humanas e sociais. O mundo foi dominado pelo "materialismo prático" de que falou o Papa João Pailo II, em sua encíclica sobre os trabalhadores. E os valores morais e espirituais da humanidade forma sufocados pela obsessão  do dinheiro e do lucro.
Esse quadro de injustiças e degradação acordou muitas consciências e já se pode perceber, no mundo inteiro, a reação do ser humano, buscando a recuperação de seus valores fundamentais.
O homem consciente luta pela participação política e trabalha para despertar novas consci~encias, pois o aumento do número de participantes será a grande força, capaz de eliminar as injustiças e restaurar a dignidade humana.
O novo século promete ao mundo uma nova sociedade. A participação política de muitos favorecerá a plena realização de cada participante como ser humano e apressará a construção da nova sociedade, na qual as decisões políticas serão de todos.

Dalmo Dallari escreveu isso em O que é Participação Política em 1983. E na vedade estamos vendo essa caminhada acontecer em vários cantos do planeta, mesmo que principiante, mas uma forte consistência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário